Fundo
Terça-feira, 20 de Novembro de 2018
Baixe o app do Comece o dia feliz
Play Store App Store
Data comemorativa do dia 13 de julho
Dia do Engenheiro Sanitarista
Dia do Engenheiro Sanitarista
Freepik

Desde a Segunda Conferência Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, a Eco-92, realizada no Rio de Janeiro, a legislação que trata de agressões à natureza ficou mais rígida, de modo que obriga o engenheiro sanitarista a acompanhar de perto as tecnologias não-poluentes. Por outro lado, a alta concorrência do mercado, geralmente, beneficia as empresas que comprovem seu perfil "ecologicamente correto" por meio de certificados internacionais de excelência ecológica, como o ISO 14.000. Isso significa que o nosso planeta poderá ser preservado e recuperado.

O engenheiro sanitarista, por ser responsável pela promoção e pela manutenção da saúde pública, está diretamente ligado à preservação do meio ambiente. Portanto, ele deve proporcionar qualidade de vida ao ser humano, por meio do controle dos fatores ambientais que possam prejudicar sua saúde e seu bem-estar.

Ele atingirá esse objetivo ao planejar e executar obras de sistemas de abastecimento urbano de água potável, por meio da captação, adução, tratamento e distribuição à população; de sistemas de esgotos sanitários, com coleta e tratamento; de sistemas de drenagem, com galerias pluviais; de sistemas de coleta de lixo.

O engenheiro sanitarista é um profissional muito requisitado nos campos do controle da poluição da água, do ar, do solo, da atmosfera, bem como no âmbito da saúde ambiental e da recuperação de áreas degradadas.

Portanto, em muitas circunstâncias, o sanitarista atua no campo do engenheiro ambiental. Mas há diferenças entre as duas atividades: o ambientalista se dedica a projetar e acompanhar a execução de obras, enquanto o sanitarista se concentra no controle da poluição, da degradação urbana etc. Às vezes é necessário trabalhar também com engenheiros civis, do projeto à execução de obras de saneamento básico, incluindo o controle de enchentes, cada vez mais comuns em cidades grandes que têm o solo quase todo asfaltado e impermeável.

A maioria dos engenheiros sanitaristas trabalha no serviço público, em instituições governamentais, federais, estaduais e municipais ou em empresas privadas que trabalhem para o governo. Sua atividade é muito importante, sobretudo nesta era de preservação dos recursos naturais.

No Brasil, o engenheiro sanitarista que obteve mais destaque foi Francisco Saturnino Rodrigues de Brito, que atuou em Belo Horizonte e Vitória e fez parte da Comissão de Saneamento de São Paulo (1897). Executou obras de saneamento em Petrópolis, Paraíba do Sul e Itaocara (1898-1901). Seu maior feito, porém, foi o saneamento da cidade de Santos (1905). Ao projetar e executar as obras dos esgotos e da canalização das águas pluviais, erradicou a malária da cidade. Os canais de Santos, hoje, são considerados patrimônio histórico, tombados pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico e Arqueológico do Estado de São Paulo (Condephaat).

Retirado do livro: 'Datas Comemorativas cívicas e históricas', Paulinas Editora.