Fundo
Segunda-feira, 16 de Setembro de 2019
Baixe o app do Comece o dia feliz
Play Store App Store
Data comemorativa do dia 25 de agosto
Dia do Soldado e Dia de Duque de Caxias
Dia do Soldado e Dia de Duque de Caxias
Visualhunt

O Dia do Soldado foi instituído em homenagem a Luís Alves de Lima e Silva, conhecido como duque de Caxias, Patrono do Exército Brasileiro, nascido em 25 de agosto de 1803. Ele foi um grande herói militar e, graças às suas qualidades, tornou-se o símbolo do herói brasileiro.

No dia 6 de janeiro de 1833, o major Luís Alves se casou com Ana Luísa de Loreto Carneiro Viana, de 16 anos. A cerimônia foi realizada no Rio de Janeiro, em um Dia de Reis, sem o consentimento dos pais da noiva. Inicialmente, a mãe de Ana não aprovou a união, pois Luís Alves não vinha de família nobre e era 14 anos mais velho do que Ana.

Enfim, o casamento foi aceito e a cerimônia civil acabou sendo realizada com a presença de um padre. Na lua de mel, Ana propôs que Luís deixasse o Exército para viverem sem ausências repentinas. A esposa temia que as campanhas afastassem o marido de casa por muito tempo. Quando Luís ia entregar ao ministro da Guerra seu requerimento de dispensa, Ana voltou atrás e o incentivou a fazer carreira.

Tiveram duas filhas, que eram chamadas de Anicota e Aniquinha. O único filho morreu aos 14 anos. Caxias o chamava de cadete, cadete Luisinho ou Luisinho. Entre os familiares, Caxias era tratado como Luís.

Caxias também teve um filho de criação a quem deu seu nome, Luís Alves. Era um índio, órfão de mãe, que veio do Maranhão. Ele foi companheiro do filho legítimo de Caxias. Quando ficava triste, o menino passava dias vagando na floresta. Em testamento, Caxias deixou-lhe todas as suas roupas.

Caxias recebeu o epíteto de “O Pacificador”, pois pacificou o Maranhão, São Paulo, Minas Gerais e o Rio Grande do Sul, províncias assoladas, no século XIX, por graves rebeliões internas. Também comandou o exército em três campanhas externas. Na Batalha de Lomas Valentinas, a mais difícil delas, em 1868, tomado de justo orgulho, bradou aos seus soldados: “O Deus dos Exércitos está conosco. Eia! Marchemos ao combate, que a vitória é certa, porque o general e amigo que vos guia até hoje não foi vencido!”

Caxias organizou o Exército Brasileiro, fez-se político, governou províncias e o próprio Brasil, pois foi presidente do Conselho de Ministros por três vezes. Foi o vulto mais exponencial de seu tempo. Depois de participar de fatos marcantes da história brasileira, já com idade avançada, decidiu voltar à terra natal, o Rio de Janeiro. Instalou-se na Fazenda Santa Mônica, na Estação Ferroviária do Desengano. O local, que hoje é conhecido como Juparanã, fica próximo a Vassouras.

Caxias morreu no dia 7 de maio de 1880, às 20h30. Seu corpo foi vestido com um uniforme modesto de marechal de exército, com apenas duas de suas condecorações de bronze no peito: a do Mérito Militar e a Geral da Campanha do Paraguai.

Seus desejos, expressos em testamento, foram respeitados. Ele pediu um enterro sem pompa, com dispensa de honras militares, féretro conduzido por seis soldados antigos e de bom comportamento, pertencentes à guarnição da Corte.

O enterro foi pago pela Irmandade da Cruz dos Militares. O corpo não foi embalsamado. Ao ser transportado do 1º ao 10º Batalhão de Infantaria, o caixão foi conduzido por seis praças.

A data de seu nascimento, 25 de agosto, foi adotada como Dia do Soldado do Exército Brasileiro, em homenagem aos 60 anos de serviço prestado por ele à corporação. Desde 1931, os cadetes do Exército da Academia Militar das Agulhas Negras levam como arma privativa o espadim de Caxias, uma cópia da espada usada por ele. A arma original está guardada no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro desde 1925.

Em 13 de março de 1962, duque de Caxias foi eleito Patrono do Exército Brasileiro, por meio do decreto federal n. 51.429. Seus restos mortais, juntamente com os de sua esposa, estão no Panteão a Caxias, em frente ao Palácio Duque de Caxias, no Rio de Janeiro.

O saudoso e venerando jornalista Barbosa Lima Sobrinho chamava duque de Caxias de “O Patrono da Anistia”, e o povo brasileiro, em espontânea consagração, popularizou o vocábulo “caxias” para apelidar as pessoas que cumprem, irrestritamente, os seus deveres.

O sociólogo Gilberto Freyre, ao reconhecer as excelsas virtudes de duque de Caxias, assim se expressou: “Caxiismo não é conjunto de virtudes apenas militares, mas de virtudes cívicas, comuns a militares e civis. Os caxias devem ser tanto paisanos como militares. O caxiismo deveria ser aprendido tanto nas escolas civis quanto nas militares. É o Brasil inteiro que precisa dele”.

Retirado do livro: “Datas comemorativas cívicas e históricas”, Paulinas Editora.