Fundo
Sábado, 24 de Agosto de 2019
Baixe o app do Comece o dia feliz
Play Store App Store

Evangelho do dia 24/04/2019

Oitava da Páscoa - Ano C - Branca
1ª Leitura: At 3,1-10 Salmo: Sl 104(105) - Alegre-se o coração dos que buscam o Senhor.
evangelho
Não estava ardendo o nosso coração? - Lc 24,13-35

Naquele mesmo dia, o primeiro da semana, dois dos discípulos iam para um povoado, chamado Emaús, a uns dez quilômetros de Jerusalém. Conversavam sobre todas as coisas que tinham acontecido. Enquanto conversavam e discutiam, o próprio Jesus se aproximou e começou a caminhar com eles. Os seus olhos, porém, estavam como vendados, incapazes de reconhecê-lo. Então Jesus perguntou: “O que andais conversando pelo caminho?” Eles pararam, com o rosto triste, e um deles, chamado Cléofas, lhe disse: “És tu o único peregrino em Jerusalém que não sabe o que lá aconteceu nestes dias?” Ele perguntou: “Que foi?” Eles responderam: “O que aconteceu com Jesus, o Nazareno, que foi um profeta poderoso em obras e palavras diante de Deus e diante de todo o povo. Os sumos sacerdotes e as nossas autoridades o entregaram para ser condenado à morte e o crucificaram. Nós esperávamos que fosse ele quem libertaria Israel; mas, com tudo isso, já faz três dias que todas essas coisas aconteceram! É verdade que algumas mulheres do nosso grupo nos assustaram. Elas foram de madrugada ao túmulo e não encontraram o corpo dele. Então voltaram, dizendo que tinham visto anjos e que estes afirmaram que ele está vivo. Alguns dos nossos foram ao túmulo e encontraram as coisas como as mulheres tinham dito. A ele, porém, ninguém viu”.
Então ele lhes disse: “Como sois sem inteligência e lentos para crer em tudo o que os profetas falaram! Não era necessário que o Cristo sofresse tudo isso para entrar na sua glória?” E, começando por Moisés e passando por todos os Profetas, explicou-lhes, em todas as Escrituras, as passagens que se referiam a ele. Quando chegaram perto do povoado para onde iam, ele fez de conta que ia adiante. Eles, porém insistiram: “Fica Conosco, pois já é tarde e a noite vem chegando!” Ele entrou para ficar com eles. Depois que se sentou á mesa com eles, tomou o pão, pronunciou a benção, partiu-o e deu a eles. Neste momento, seus olhos se abriram, e eles o reconheceram. Ele, porém, desapareceu da vida deles. Então um disse ao outro: “Não estava ardendo o nosso coração quando ele nos falava pelo caminho e nos explicava as escrituras? “Naquela mesma hora, levantaram-se e voltaram para Jerusalém, onde encontraram reunidos os Onze e os outros discípulos. E estes confirmaram: “Realmente, o Senhor ressuscitou e apareceu a Simão!” Então os dois contaram o que tinha acontecido no caminho, e como o tinham reconhecido ao partir o pão.

Bíblia Sagrada, tradução da CNBB, 2ª ed., 2002.
Clique nos títulos para ler o conteúdo.
Oração Inicial

Nesta semana, temos a oportunidade de nos encontrarmos com a Palavra de Deus que nos apresenta as aparições do Ressuscitado. Hoje, Jesus aparece aos discípulos de Emaús, caminha com eles, partilha o pão, e eles o reconhecem. Que possamos abrir nossos olhos para reconhecermos a presença do Senhor ressuscitado em nossa vida.
Rezemos: “Vem, Espírito Santo! Faze-nos amar as Escrituras, para reconhecermos a voz viva de Jesus. Torna-nos humildes e simples, a fim de compreendermos os mistérios do Reino de Deus. Amém.”

Leitura (Verdade)

O que diz o texto bíblico? Leia-o atentamente e procure imaginar a narrativa. Coloque-se no caminho com os dois peregrinos. Sobre o que conversam? Por que estão a caminho de Emaús? Como Jesus se dá a conhecer? Em que momento eles reconhecem o Senhor Ressuscitado? Por que os dois discípulos reconhecem que é Jesus ao partir o pão?
“O relato dos discípulos de Emaús é a narração de uma Páscoa. Não há situação humana em que o Senhor não se faça presente. Talvez as situações de frustração e de decepção sejam as mais difíceis, as que impedem de reconhecer que o Senhor está presente. Parece ser bem o caso no relato dos discípulos de Emaús. A tristeza e a frustração aparecem nos olhos. O olhar, diz o ditado popular, diz mais do que mil palavras. De uma profunda tristeza e frustração eles passam à alegria e ao anúncio do Ressuscitado. Mas o que permitiu essa transformação na vida daqueles dois discípulos, um dos quais anônimo? A presença do Senhor ressuscitado, que se põe a caminho com eles e os faz percorrer um caminho muito mais longo do que aquele que separa Jerusalém de Emaús, a saber, o caminho através das Escrituras. É desse fato que, depois que o Senhor partiu o pão e passou a eles, vão se recordar. O caminho através das Escrituras preparou os discípulos para abrirem os olhos do reconhecimento no gesto de partir o pão. O mesmo acontece na celebração da eucaristia: sem reconhecer o Senhor presente na sua palavra, não é possível reconhecê-lo nas espécies do pão e do vinho. Desvincular a palavra da fração do pão é correr o risco de cair no puro devocionismo” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)

O que o texto lhe diz? Quais sentimentos desperta em seu coração? Seus olhos estão abertos para reconhecer o Senhor? De que forma o Senhor se faz presente em sua vida? Você permite que Ele caminhe com você, lhe faça companhia nas realidades que vive?
“Emaús é o caminho da tristeza, da decepção, da crise de fé, da desesperança. Emaús é uma fuga dos problemas e das dificuldades. Emaús é o lugar da impaciência. Os discípulos caminhavam com esses e outros sentimentos negativos. Jesus Ressuscitado aparece-lhes e percebe como seus corações e mentes estavam lentos para acreditar na ressurreição. Então, o próprio Jesus assume o lugar do catequista e explica as Escrituras. Mas é na fração do pão (Eucaristia) que eles entendem, plenamente, a lição da ressurreição. Eles próprios disseram que seus corações ardiam quando Jesus falava de si mesmo. Acredito que só pode ser discípulo do Ressuscitado quem, um dia, teve o coração aquecido por ele” (Frei Mário Sérgio Souza, em “Viver a Palavra”, da Paulinas Editora).

Oração (Vida)

Agradeça a riqueza da Palavra de Deus e os ensinamentos escondidos em cada palavra. Agradeça os desafios que o Senhor o(a) convida a viver neste dia. Agradeça ao Senhor sua fidelidade e seu amor que sempre nos acompanham, mesmo quando temos dificuldade de reconhecê-lo.
Conclua sua oração celebrando com Maria a alegria da ressurreição de seu Filho.
- Rainha do céu, alegrai-vos, aleluia!
- Porque quem merecestes trazer em vosso puríssimo seio, aleluia!
- Ressuscitou como disse, aleluia!
- Rogai a Deus por nós, aleluia!
- Exultai e alegrai-vos, ó Virgem Maria, aleluia!
- Porque o Senhor ressuscitou verdadeiramente, aleluia!
Ave, Maria...
- Rogai por nós, Santa Mãe de Deus.
- Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.
Oremos: “Ó Deus, que alegrastes o mundo com a ressurreição de vosso Filho, Jesus Cristo, Senhor nosso, concedei-nos, vo-lo suplicamos, que por sua Mãe, a Virgem Maria, alcancemos as alegrias da vida eterna. Pelo mesmo Cristo, nosso Senhor. Amém.”

Contemplação (Vida e Missão)

O que você se propõe a viver concretamente neste dia? O que é pedido à sua vida?

Bênção

- Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
- Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
- Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
- Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas

Realmente o Senhor ressuscitou e apareceu a Simão. Fica conosco, Senhor, é tarde, e a noite já vem!

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2019’, Paulinas.