Fundo
Sábado, 24 de Agosto de 2019
Baixe o app do Comece o dia feliz
Play Store App Store

Evangelho do dia 14/08/2019

São Maximiliano Maria Kolbe, memória - Ano C - Vermelha
1ª Leitura: Dt 34,1-12 Salmo: Sl 65(66) - Bendito seja Deus, que não rejeitou minha oração.
evangelho
Onde estiverem reunidos, ali estou! - Mt 18,15-20

“Se teu irmão pecar contra ti, vai corrigi-lo, tu e ele a sós! Se ele te ouvir, terás ganho o teu irmão. Se ele não te ouvir, toma contigo mais uma ou duas pessoas, de modo que toda questão seja decidida sob a palavra de duas ou três testemunhas. Se ele não vos der ouvido, dize-o à igreja. Se nem mesmo à igreja ele ouvir, seja tratado como se fosse um pagão ou um publicano. Em verdade vos digo, tudo o que ligardes na terra será ligado no céu, e tudo o que desligardes na terra será desligado no céu. Eu vos digo mais isto: se dois de vós estiverem de acordo, na terra, sobre qualquer coisa que quiserem pedir, meu Pai que está nos céus o concederá. Pois onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, eu estou ali, no meio deles.”

Bíblia Sagrada, tradução da CNBB, 2ª ed., 2002.
Clique nos títulos para ler o conteúdo.
Oração Inicial

Memória litúrgica de São Maximiliano Kolbe, presbítero e mártir. Maximiliano doou sua vida em favor de um pai de família no campo de extermínio nazista. Grande devoto de Nossa Senhora, foi o fundador da Milícia da Imaculada. “Se teu irmão pecar contra ti, vai corrigi-lo, tu e ele a sós!” Esse é o convite que Jesus nos faz hoje. Que o pedido do Senhor encontre espaço em nossa vida e se torne concreto em nosso dia.
Rezemos: “Divino Espírito Santo, necessitamos muito de vossa ajuda para conhecer o caminho que devemos seguir. Temos necessidade de vós, para que o nosso coração, inundado pela vossa consolação, se abra e que, muito além das palavras e dos conceitos, possamos perceber a vossa presença. Iluminai a nossa mente, movei o nosso coração, para que esta meditação produza em nós frutos de vida. Amém.”

Leitura (Verdade)

O que diz o texto? A quem Jesus está se dirigindo? Qual desafio a comunidade é convidada a enfrentar? Qual desejo de Deus o evangelista nos transmite por meio da narrativa? Qual é o apelo principal que o texto nos faz?
“Sem o perdão e o esforço de reconciliação, não é possível uma comunidade cristã. No trecho anterior do discurso sobre a Igreja, duas características da comunidade eclesial foram ressaltadas: o serviço e o cuidado de uns para com os outros, de modo especial por aqueles que se sentem, por algum motivo, desprezados. O evangelho de hoje é, por assim dizer, a aplicação prática do desejo de Deus de que nenhum membro da comunidade se perca. A atitude exigida para realizar o desejo de Deus é a iniciativa que cada um deve tomar no que diz respeito à reconciliação, tendo presente que a comunidade cristã é uma comunidade de irmãos. O pecado divide a comunidade. Se acontecer a alguém ser vítima do pecado de outro membro da comunidade, trata-se, aqui, de tomar a iniciativa de ajudar o pecador no seu processo de conversão, desde que ele aceite livremente. É Deus quem toma a iniciativa de vir em socorro de nossa humanidade e é ele quem oferece, gratuitamente, o seu perdão. A comunidade cristã é chamada a ser reflexo da misericórdia divina (Mt 5,48; Lc 6,36; 15). O amor fraterno e, consequentemente, a comunidade cristã são construídos através desse esforço permanente de reconciliação” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)

O que o texto diz a você hoje? Qual convite a Palavra lhe faz? Como você vive o perdão e a reconciliação? Você recorda experiências em que foi perdoado(a) e perdoou? O que o(a) motiva a buscar a reconciliação com pessoas que o(a) ofenderam ou que você ofendeu?
“A correção fraterna é um dos mais belos caminhos de caridade e de conversão. Caridade porque não se deixa o irmão morrer em seus próprios erros. Conversão porque ao outro é dada a chance de um olhar para dentro de si, para seus erros, para suas fraquezas, e mudar o rumo da sua vida. Mas correção sem amor é mais uma ferida que se abre na vida de quem está no erro. O pecado cega a pessoa, desvirtua os sentimentos, engana as emoções, destrói a pessoa e seus relacionamentos. A maior dificuldade na correção fraterna é o modo de abordar a pessoa ou mesmo a coragem de ir ao seu encontro. Nunca faça isso sozinho! Antes, peça a força do Espírito Santo. Mas não deixe que o irmão se perca por sua omissão!” (Frei Mário Sérgio Souza, em “Viver a Palavra”, da Paulinas Editora).

Oração (Vida)

Agradeçamos ao Senhor seu amor e sua misericórdia para conosco e por ter nos ensinado a perdoar. Entreguemos a Ele as pessoas que sofrem a dor da falta do perdão e da reconciliação. Peçamos ainda: “Senhor, concede-nos um coração aberto à tua graça e ensina-nos a perdoar a quem ainda não amamos com verdadeiro amor fraterno. Amém”.

Contemplação (Vida e Missão)

De que forma a Palavra de Deus estará presente neste seu dia? O que você deseja colocar em prática, segundo os ensinamentos de Jesus?

Bênção

- Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
- Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
- Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
- Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas

O que significa estar reunido em nome de Jesus? Segundo a tradição judaica, quando dois se reúnem e se dedicam ao estudo da Torá, a Glória do Senhor está com ele. A Glória do Senhor, que pairava sobre a Arca da Aliança, é a presença de Deus no meio do seu povo. O estudo da Torá tem como resultado o conhecimento da vontade de Deus. Cristãos reunidos em nome de Jesus estão procurando discernir a vontade de Deus em suas vidas. No Evangelho de Mateus já lemos que não basta dizer “Senhor, Senhor” para entrar no Reino dos Céus. É preciso fazer a vontade de Deus. Podemos nos reunir para estar juntos e cantar hinos. No entanto, só estaremos reunidos em nome de Jesus se estivermos animados pela disposição de realizar o que Deus espera de nós. Então nossa oração será atendida. Uma expressão da vontade de Deus é a correção fraterna, feita por amor a Deus e ao próximo. Porque queremos o bem do nosso irmão, nós o corrigimos. Porque amamos a Deus e queremos estar unidos a ele, aceitamos a correção.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2019’, Paulinas.