Fundo
Quarta-feira, 19 de Junho de 2019
Baixe o app do Comece o dia feliz
Play Store App Store

Evangelho do dia 13/06/2019

Santo Antônio de Pádua, memória - Ano C - Branca
1ª Leitura: 2Cor 3,15–4,1.3-6 Salmo: Sl 84(85) - Sua glória habitará em nossa terra.
evangelho
Procura reconciliar-te - Mt 5,20-26

“Eu vos digo: Se vossa justiça não for maior que a dos escribas e dos fariseus, não entrareis no Reino dos Céus. Ouvistes que foi dito aos antigos: ‘Não cometerás homicídio! Quem cometer homicídio deverá responder no tribunal’. Ora, eu vos digo: todo aquele que tratar seu irmão com raiva deverá responder no tribunal; quem disser ao seu irmão ‘imbecil’ deverá responder perante o sinédrio; quem chamar seu irmão de ‘louco’ poderá ser condenado ao fogo do inferno. Portanto, quando estiveres levando a tua oferenda ao altar e ali te lembrares que teu irmão tem algo contra ti, deixa a tua oferenda diante do altar e vai primeiro reconciliar-te com teu irmão. Só então, vai apresentar a tua oferenda. Procura reconciliar-te com teu adversário, enquanto ele caminha contigo para o tribunal. Senão o adversário te entregará ao juiz, o juiz te entregará ao oficial de justiça, e tu serás jogado na prisão. Em verdade, te digo: dali não sairás, enquanto não pagares o último centavo.”

Bíblia Sagrada, tradução da CNBB, 2ª ed., 2002.
Clique nos títulos para ler o conteúdo.
Oração Inicial

Memória litúrgica de Santo Antonio de Pádua, incansável anunciador do Evangelho e amigo dos pobres. Veremos no Evangelho de hoje que a reconciliação é o caminho da liberdade, é a realidade do Reino de Deus acontecendo na nossa vida. Jesus hoje nos convida à reconciliação fraterna e nos mostra quão exigente é este caminho.
Peçamos ao Espírito Santo as graças necessárias para bem compreendermos os ensinamentos de Jesus: Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor. Enviai o vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da terra. Oremos: Ó Deus, que instruístes os corações dos vossos fiéis com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre da sua consolação. Por Cristo, Senhor Nosso. Amém.

Leitura (Verdade)

O que diz o texto bíblico? Leia o texto e procure perceber o contexto do relato evangélico: lugares, pessoas e acontecimentos. Quais são as palavras ou gestos de Jesus? Quem são os destinatários de sua mensagem? Qual é o tema que perpassa o texto? Leia novamente. Detenha-se nas palavras que mais chamaram sua atenção e dedique alguns instantes de silêncio para compreendê-las melhor.
“[...] O evangelho de hoje apresenta um modo de agir que supera o legalismo de colorido farisaico, que torna a pessoa prisioneira da letra. Somente o amor pode levar a superar o legalismo; amor que nos torna compassivos e misericordiosos como Deus é misericordioso (cf. Lc 6,36). Não se trata simplesmente da interdição de tirar a vida de alguém (cf. Ex 20,3; Dt 5,7), mas é proibido, na nova lei, depreciar o semelhante dando a ele títulos ofensivos. Não é somente a morte física que é visada na interdição, mas toda ofensa moral cometida contra o irmão (v. 22). Ao contrário, ao discípulo Jesus impõe a exigência de reconciliação. A reconciliação é condição para a oferta de um verdadeiro sacrifício de louvor. Nós poderíamos dizer, a reconciliação é o sacrifício que agrada a Deus; ‘é a misericórdia que eu quero’, diz Deus (cf. Os 6,6). O esforço de reconciliação requerido e visado nesta antítese é uma explicitação da bem-aventurança da mansidão (5,4). ‘Manso’ (cf. Sl 37,11), em hebraico, corresponde a ‘pobre’; entenda-se, pobre de espírito (cf. 5,3), isto é, aquele que reconhece e acolhe o Reino de Deus como dom” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)

O que o texto diz para mim, hoje? Tenha presente outros textos em que Jesus fala da justiça, da relação com os irmãos, da misericórdia, da reconciliação... Qual palavra do texto encontrou profunda sintonia com a minha vida, com as minhas atitudes? Em meu trabalho e meu relacionamento com as pessoas, como vivo as orientações apresentadas por Jesus? Quais sentimentos o texto desperta em mim? Procure acolher em poucas palavras o apelo que a Palavra de Deus desperta na sua oração.
“O cristianismo não pode ser reduzido a um conjunto de normas para serem observadas, sob condição de ir ou não para o céu ou o inferno. O cristianismo é um modo de ser, um estilo de vida. O que o Senhor Jesus ensinou é para modificar o nosso modo de pensar e agir. Portanto, o amor ao próximo não é uma ideia, ou algo pontual, ou mesmo figurativo. Esse amor é identitário para o cristão. Ou radicaliza o amor e o respeito ao outro, ou a nossa opção de vida pode nos condenar. Uma oferta de um coração marcado pelo ódio e pela inimizade não agrada ao Coração de Deus. A ética cristã tem muito a oferecer a este mundo a partir da visão humanista e sacralizada da pessoa humana” (Frei Mário Sérgio Souza, em “Viver a Palavra”, da Paulinas Editora).

Oração (Vida)

É a hora do diálogo direto com Deus. Apresente ao Senhor a oração que brotou em seu coração. Peça também a graça de buscar a reconciliação e saber dar o perdão sem medidas. Reze pelos povos em conflitos, pelas famílias que não vivem o amor e o perdão, pelas pessoas que não conseguem perdoar...

Contemplação (Vida e Missão)

O encontro com a Palavra, fonte de vida, gera novas relações e recria comunhão. Com a Palavra na mente e no coração, qual gesto me proponho a viver no dia de hoje?

Bênção

- Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
- Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
- Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
- Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas

Jesus não rompe com o que foi ensinado ao povo de Israel. Ele quer que seus discípulos não fiquem apenas na letra do que foi dito. Avancem e vivam os ensinamentos em espírito e verdade. Sabemos o que foi dito aos antigos. Agora, é preciso levar o que foi dito às últimas consequências. Foi dito que não devemos matar. Sabemos, porém, que há muitas maneiras de matar. Mata-se até com a língua. Não nos apresentemos diante de Deus sem antes examinarmos a qualidade da nossa relação fraterna. Se alguém não estiver bem conosco, vamos primeiro acertar o passo para depois apresentar a Deus a nossa oferenda. Hoje celebramos Santo Antônio, o grande pregador. A devoção popular fez dele também o santo da reconciliação familiar. Que ele nos ajude a viver em paz!

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2019’, Paulinas.