Fundo
Sábado, 24 de Agosto de 2019
Baixe o app do Comece o dia feliz
Play Store App Store
Santo do dia 13 de agosto
Bem-aventurado Jacob Gapp
Sacerdote tirolês (1897-1943)
Bem-aventurado Jacob Gapp
Rebeca Venturini/FC

Jacob Gapp nasceu em Wattens, na região do Tirol, na Áustria, em 26 de julho de 1897. Foi voluntário na Primeira Guerra Mundial, transcorrida de 1914 a 1918, caindo prisioneiro das tropas italianas ao final do conflito. No ano seguinte, estando em liberdade, voltou a ser voluntário, mas dessa vez numa congregação religiosa: a Sociedade de Maria.

Essa Ordem, fundada pelo padre francês Guilherme Chaminade, tinha por objetivo a educação da juventude e espalhou-se por vários países, inclusive a Áustria. Os integrantes eram chamados marianistas, que depois tornaram-se conhecidos em todo o mundo, tendo seu fundador canonizado pela Igreja.

Jacob iniciou o seu noviciado em 1920 e foi estudar na França e na Suíça. Dez anos depois, já sacerdote consagrado, voltou para sua terra natal. Em 1933, Adolf Hitler chegou ao poder na Alemanha, instaurando um Estado totalitário, inspirado na superioridade da 'raça ariana'. O seu violento expansionismo acabou atingindo a Áustria, em 1938, onde a população, amedrontada e ameaçada, passou a denunciar e entregar judeus e antinazistas, numa tentativa desesperada de evitar a represália do cruel exército alemão.

Jacob Gapp era um desses antinazistas convictos e poderia ser preso a qualquer momento. Mas isso não o intimidava. Tinha uma radical aversão à visão racista, também condenada pelo papa Pio XI por meio da famosa encíclica 'Mit Brennender Sorge' de 1937. Jacob pregava abertamente que o cristianismo e o nazismo eram incompatíveis, não havendo a menor possibilidade de entendimento entre os dois.

Perseguido pela Gestapo, a agência de espionagem nazista, Jacob fugiu da Áustria, passando pela França e fixando-se na Espanha, em uma comunidade marianista de Valência. Porém os implacáveis espiões nazistas perseguiram-no até lá, sendo preso e deportado para Berlim.

Na capital alemã, Jacob enfrentou sete longos meses de cárcere. Seu julgamento, que não durou mais de duas horas, culminou com sua condenação à morte. Em 13 de agosto de 1943, na penitenciária de Ploetzansee, Jacob Gapp foi decapitado.

Poucas horas antes da execução, escreveu cartas animadoras a seus familiares e superiores: 'Considero este dia como o mais belo de minha vida. Atravessei duras provas, mas agora estou feliz'. O papa João Paulo II o proclamou bem-aventurado em 1996, designando o dia de sua morte para o seu culto.

Texto: Paulinas Internet