Fundo
Quinta-feira, 24 de Maio de 2018
Baixe o app do Comece o dia feliz
Play Store App Store
Dica de Vida Saudável do dia 10 de maio
Da casca à semente
Da casca à semente
Freeimages

Abóbora, moranga, jerimum, esse legume que recebe diversos nomes é cultivado em todo o Brasil. Aproveitam-se a polpa, as sementes, as folhas e até mesmo o miolo. Muito consumida em todo o mundo, é originária das Américas.

Quem resiste a um doce de abóbora? Ele vem em barra ou cremoso, acompanhado ou não do coco ralado. Mas você sabia que a abóbora tem muito mais a oferecer? Ela é um alimento bastante versátil e pode ser utilizada em diversas preparações, doces e salgadas: sopas cremosas, doces, tortas, risotos, pães, recheios de massas. De acordo com Carla Alves, nutricionista do Hospital Federal do Andaraí, no Rio de Janeiro (RJ), a abóbora é rica em potássio, cálcio, fósforo, ferro, magnésio, zinco, fibra, riboflavina e vitaminas A, C, E e complexo B.

O alimento contém, ainda, fito-nutrientes que mantêm a saúde da pele e ajudam a impedir os malefícios da luz solar. A polpa é indicada para as doenças dos rins e do coração. ”Todas as variedades de abóbora são também laxantes e depuradoras de tóxicos intestinais que elevam a pressão arterial. São sempre recomandáveis para quem tem tendência à constipação intestinal”, aconselha Carla.

Abóbora também ajuda na dieta de atletas. Essa “mãozinha” se deve às vitaminas do complexo B, pois regulam funções importantes no metabolismo, e à presença de carotenoides, componentes antioxidantes que o corpo transforma em vitamina A. “O consumo de carotenoides protege o organismo de doenças crônicas, como doenças cardíacas e câncer, e também previne problemas de visão. As vitaminas do complexo B ajudam a melhorar nosso sistema nervoso, prevenindo doenças neurológicas, e conferem mais energia ao organismo”, observa a especialista.

Já é comprovado que fontes naturais do alimento são mais eficazes, inclusive, que betacaroteno vendido como suplemento. Carla ressalta que uma xícara de abóbora cozida fornece 12 miligramas de vitamina C (20% da recomendação diária) e, 2.650 microgramas de vitamina A, sendo este o principal nutriente. Uma porção com 100 gramas de abóbora cozida, em forma de purê, contém mais de 200% da recomendação diária de vitamina A.

E mais números: em uma xícara de abóbora cozida contém cerca de 50 calorias e 582 miligramas de potássio. A quantidade do mineral é maior do que a presente em uma banana (450 miligramas). Para que seus benefícios sejam aproveitados, a nutricionista recomenda o consumo regular. Uma porção de abóbora cozida equivale aproximadamente a 50 gramas (uma colher e meia de sopa). “O importante é que ela faça parte do seu cardápio”, pontua.

Quem está em dieta para emagrecer e pessoas diabéticas podem usufruir dos benefícios da abóbora. “Por ser um alimento rico em fibras e ainda possuir em sua composição carboidratos de baixo índice glicêmico, a abóbora pode favorecer o controle da glicemia, além de dar a sensação de saciedade”, esclarece Carla.

A semente da abóbora também vem sendo bastante consumida. Segundo a nutricionista, ela possui uma grande quantidade de triptofano, um aminoácido importante na produção de serotonina, sendo este responsável pelo controle do nosso bom humor, sono e apetite. “Uma porção de sementes torradas de abóbora por dia é o suficiente para a melhora do humor e da disposição”, ensina.

Quando torradas, as sementes apresentam uma boa quantidade de zinco, ômega 3 e fitoesteróis, substâncias que auxiliam na redução do colesterol. “Há estudos que demonstraram benefícios na prevenção de câncer de próstata, artrite, no aumento da resposta imunológica, proteção do sistema cardiovascular, além de atuar como fermífugo natural”, observa Carla.

As flores de abóbora são usadas em algumas regiões do País como parte de um refogado. Quem já experimentou garante que elas deixam um sabor diferente no preparo. Os brotos são utilizados para fazer ensopados, e a casca pode enriquecer o arroz, a farofa ou até mesmo a carne moída. Basta usá-la bem picadinha.

Para comprar a abóbora sem erro, observe se a casca está firme, lisa, sem rachaduras e manchas. Normalmente, ela é vendida em pedaços e, nesse caso, escolha o que parecer mais fresco. E não se esqueça: abóbora madura deve ficar na geladeira! Na hora de consumi-la, muitas opções: pode ser refogada, assada ou cozida. E, se for no vapor, melhor ainda: não há perda de nutrientes. E que tal inovar? Substitua o tradicional doce de abóbora por um delicioso pudim ou saia do lugar comum com um curau de abóbora.

Por Carolina Mouta/Revista Família Cristã, edição 943.