Fundo
Quarta-feira, 18 de Julho de 2018
Baixe o app do Comece o dia feliz
Play Store App Store
Dica de Vida Saudável do dia 17 de maio
Um aliado saudável
Um aliado saudável
noodlepie/Visualhunt

Vegetal da categoria dos frutos, o chuchu (Sechium edule) é considerado uma hortaliça-fruto da qual tudo se aproveita: depois de bem lavados, folhas, brotos e raízes podem ser consumidos. Os brotos são ricos nas vitaminas B e C e sais minerais como cálcio, fósforo e ferro. Rica em água, fonte de fibra dietética e com baixo teor de caloria, a hortaliça é pobre em gordura saturada e não contém colesterol. Dessa maneira, “é um alimento ideal para aqueles que tentam perder peso e pode ser o complemento perfeito em qualquer dieta para perda de peso, pois a fibra alimentar proporciona saciedade prolongada e facilita a restrição de excessos alimentares”, comenta a nutricionista Natália Moreira Bicas De Domenico, pós-graduada em Alimentos Funcionais, Fitoterapia e Suplementação, da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (Famerp), São Paulo.

“A fibra é útil no controle dos níveis de açúcar no sangue e para manter o coração saudável, diminuindo os níveis de colesterol. E, por não ter um sabor muito marcante, permite inúmeras formas de combinações de temperos com ervas e especiarias. Inclusive deliciosas sobremesas diets”, orienta Natália. Já o manganês, presente no vegetal, auxilia na conversão de gorduras e proteínas em energia, enquanto suas quantidades de magnésio, fósforo e cálcio são essenciais para a manutenção de ossos fortes e saudáveis.

Entre os benefícios do chuchu estão o de conter boas quantidades de ácido fólico – também conhecido como vitamina B9. Isso interessa, de modo particular, as gestantes, pois a carência desse elemento está associada a má-formação fetal. “E como é pouco calórica, a hortaliça ainda complementa a dieta das gestantes, já que leva a saciedade sem comprometer o controle de peso. Por ser rico em líquido, auxilia na hidratação da mamãe e do bebê”, alerta a nutricionista.

Acrescente-se que a hortaliça carrega boas doses de vitaminas C e E, além de zinco, que colaboram para uma pele saudável. A vitamina C, como se sabe, atua como antioxidante na luta contra os radicais livres, retardando, assim, o envelhecimento celular precoce e os danos causados às células. “Ao impedirem o estresse oxidativo e as mutações, esses antioxidantes ajudam na prevenção e desenvolvimento do câncer”, observa Natália. O zinco, por sua vez, é eficaz no controle da produção de óleo na pele, e a vitamina E reforça esse benefício à medida que protege a pele e repara os danos causados pelo sol, poluição e estresse.

“Os hipertensos igualmente se beneficiam das propriedades alimentares do vegetal, pois seus altos níveis de potássio ajudam a equilibrar os efeitos do sal”, explica. Além disso, o potássio reduz a pressão arterial, e o magnésio aumenta os níveis do colesterol bom, mantendo os batimentos normais do coração e prevenindo a coagulação do sangue. Outro ponto a favor da hortaliça é combater, através do seu ácido fólico, o acúmulo de homocisteína no sangue, um aminoácido nocivo geralmente associado ao risco de Acidente Vascular Cerebral (AVC).

“Para quem sofre de constipação intestinal, as fibras do chuchu facilitam a remoção de resíduos do aparelho digestivo e aumentam a absorção da gordura eliminada pelas fezes”, comenta Natália. Ao fornecer quantidades suficientes de ferro e vitamina do complexo B, o consumo do vegetal estimula a produção sanguínea de glóbulos vermelhos, as hemácias. Já a vitamina C, o zinco e o cobre ajudam na absorção fácil e adequada de ferro, prevenindo a anemia. E, como se não bastassem tantos benefícios, a hortaliça combate ainda o inchaço corporal, pois possui propriedades diuréticas que reduzem a retenção de líquidos e previnem a formação de pedras nos rins. Para os diabéticos, em especial, a boa notícia fica por conta de seu baixo índice glicêmico. “Por não causar picos perigosos nos níveis de açúcar no sangue, o chuchu é ideal para as pessoas que sofrem de diabetes, pois sua fibra solúvel ajuda a retardar o processo de digestão, inibindo a absorção de açúcares”, orienta a nutricionista.

Por Silvia Torreglossa/Revista Família Cristã, edição 945.