Fundo
Terça-feira, 22 de Junho de 2021
Baixe o app do Comece o dia feliz
Play Store App Store

Evangelho do dia 23/09/2018

25º Domingo do Tempo Comum - Ano B - Verde
1ª Leitura: Sb 2,12.17-20 Salmo: 54(53) - O Senhor sustenta minha vida. 2ª Leitura: Tg 3,16–4,3
evangelho
Se alguém quiser ser o primeiro, seja aquele que serve a todos - Mc 9,30-37

Partindo dali, Jesus e seus discípulos atravessavam a Galileia, mas ele não queria que ninguém o soubesse. Ele ensinava seus discípulos e dizia-lhes: “O Filho do Homem vai ser entregue às mãos dos homens, e eles o matarão. Morto, porém, três dias depois ressuscitará”. Mas eles não compreendiam o que lhes dizia e tinham medo de perguntar. Chegaram a Cafarnaum. Estando em casa, Jesus perguntou-lhes: “Que discutíeis pelo caminho?”. Eles, no entanto, ficaram calados, porque pelo caminho tinham discutido quem era o maior. Jesus sentou-se, chamou os Doze e lhes disse: “Se alguém quiser ser o primeiro, seja o último de todos, aquele que serve a todos!”. Em seguida, pegou uma criança, colocou-a no meio deles e, abraçando-a, disse: “Quem acolhe em meu nome uma destas crianças, a mim acolhe. E quem me acolhe, acolhe, não a mim, mas Àquele que me enviou”.

Bíblia Sagrada, tradução da CNBB, 2ª ed., 2002.
Clique nos títulos para ler o conteúdo.
Oração Inicial

Liturgia do 25º domingo do Tempo Comum. Neste novo dia, busquemos o Senhor, que em sua Palavra nos alimenta, nutre, fortalece na caminhada, indica-nos o caminho da vida plena.
Silenciando o coração, repita algumas vezes a oração: “Jesus Mestre, iluminai minha mente, movei meu coração, para que esta meditação produza em mim frutos de vida. Amém.”

Leitura (Verdade)

O que diz o texto? Quais palavras mais se repetem no Evangelho de hoje? Quem são os personagens que aparecem na narrativa? Destaque os ensinamentos de Jesus aos seus discípulos.
“Nosso texto de hoje é o segundo anúncio da paixão, morte e ressurreição de Jesus. Do ponto de vista narrativo, esses relatos têm por função preparar o leitor para entrar no relato da paixão e morte do Senhor, sem serem tomados pela surpresa e sem medo e esmorecimento, mas iluminados e fortalecidos pela ressurreição. O Jesus de Marcos é um Mestre que sempre está ensinando os seus discípulos e a multidão. Aqui, neste trecho, o conteúdo é o mistério pascal do Filho de Deus. Como no primeiro anúncio (Mc 8,31-33), Jesus repreende os discípulos por causa de sua reação. A discussão entre eles de quem era o maior é expressão da incompreensão deles acerca do destino de Jesus e de sua missão e da condição deles como discípulos. No seguimento de Cristo, o maior é o que serve, à imitação de Jesus, que se fez servo de toda a humanidade. No seguimento do Senhor, em que o serviço deve caracterizar a missão, a disputa pelo poder e a defesa de privilégios são absolutamente inaceitáveis. O acolhimento de todos, sem acepção de pessoas, e de modo especial dos que mais precisam de cuidado é a atitude requerida de todos os cristãos que compreendem a fé que professam” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)

Faça uma segunda leitura do texto e permaneça em silêncio por alguns instantes. O que o Senhor quer lhe dizer por meio do texto? Qual é a importância das palavras de Jesus para sua vida? Como você entende o convite de Jesus: “Se alguém quiser ser o primeiro, seja o último de todos, aquele que serve a todos”? Em nossa sociedade, em que a disputa pelo poder e a defesa de privilégios aumentam a cada dia, é possível viver os ensinamentos de Jesus?

Oração (Vida)

Apresente ao Senhor a sua oração. Recorde as luzes e apelos que a Palavra despertou em seu coração. Peça a graça de, a exemplo de Jesus, ter um coração aberto ao serviço generoso e acolhedor aos irmãos e de ser um(a) promotor(a) da vida.
“Jesus, Mestre divino, Vós sois a vida, o amor. Morrestes numa cruz para o mundo renascer todo novo, vida plena. Nós vos louvamos, Senhor, pela vida que nos dais. Vós viveis em nós, nós vivemos em Vós. Vós sois a nossa vida. Jesus, Mestre divino, dai-nos o Espírito Santo, seremos livres, enfim. Saberemos amar, espalhar só o bem e a paz. Jesus, Mestre divino, plenificai o nosso ser. Nossa vida vos irradie, nossa voz sempre anuncie ao mundo a Boa Nova. Amém.”

Contemplação (Vida e Missão)

A Palavra de Deus encontrou sintonia em sua vida? O que você deseja colocar em prática neste dia?

Bênção

- Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
- Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
- Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
- Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas

Jesus fez o primeiro anúncio de sua Paixão, e Pedro não entendeu. Certamente entendeu, mas não aceitou. Ou será que Pedro se enganou, quando tomou a decisão de seguir Jesus? Afinal, o Messias esperado viria para restaurar o Reino de Israel. Jesus era o Messias, e Pedro e seus companheiros, sendo os discípulos mais próximos de Jesus, certamente teriam cargos e funções de relevância no reino de Israel restaurado. Seria muito decepcionante que, em vez de um trono, ele tivesse uma cruz. Apesar da reação de Pedro, Jesus volta a falar do mesmo assunto. Mais uma vez ele anuncia que “o Filho do Homem vai ser entregue às mãos dos homens, e eles o matarão. Morto, porém, três dias depois ressuscitará”. “Mas eles não compreendiam o que lhes dizia”, escreve o evangelista, “e tinham medo de perguntar”. Tinham medo de perguntar porque acabavam de ouvir Jesus censurar Pedro e chamá-lo de Satanás. De fato, Jesus veio enfrentar o poder demoníaco e Pedro estava bandeando para o lado do demônio, por isso Jesus o chama de Satanás.
Eles se dirigiam a Cafarnaum. Lá chegando, em casa, Jesus perguntou aos Doze o que estavam discutindo no caminho. Ficaram calados. Por que não deram uma resposta à pergunta de Jesus? Porque o assunto da discussão não era o mais nobre. Discutiam quem deles era o maior. Discutiam a precedência, a importância e o poder. Jesus sentou-se, chamou os Doze e lhes disse: “Se alguém quiser ser o primeiro, seja o último de todos, aquele que serve a todos!”. Jesus vai trabalhar com eles esse assunto e mostrar-lhes que o seu lugar, o lugar de Jesus, é o último e que eles também devem estar no último lugar e prestar serviço a todos. Tema difícil de ser compreendido e de ser aceito até os dias de hoje. A partir de agora o evangelista São Marcos colocará algumas situações humanas para que os apóstolos comecem a compreender que, entre eles e na comunidade cristã que está para surgir, ninguém é mais do que ninguém, somos todos filhos do mesmo Pai e irmãos em Jesus Cristo. Quem tem cargo e títulos os tem para prestar serviço aos outros.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2018’, Paulinas.