Fundo
Sexta-feira, 18 de Agosto de 2017
Baixe o app do Comece o dia feliz
Play Store App Store

Evangelho do dia 13/08/2017

19º Domingo do Tempo Comum - Ano A - Verde
1ª Leitura: 1Rs 19,9a.11-13a Salmo: 85(84) - Mostra-nos, Senhor, a tua misericórdia. 2ª Leitura: Rm 9,1-5
evangelho
Coragem! Sou eu. Não tenhais medo! - Mt 14,22-33

Logo em seguida, Jesus mandou que os discípulos entrassem no barco e fossem adiante dele para o outro lado do mar, enquanto ele despediria as multidões. Depois de despedi-las, subiu à montanha, a sós, para orar. Anoiteceu, e Jesus continuava lá, sozinho. O barco, entretanto, já longe da terra, era atormentado pelas ondas, pois o vento era contrário. Nas últimas horas da noite, Jesus veio até os discípulos, andando sobre o mar. Quando os discípulos o viram andando sobre o mar, ficaram apavorados e disseram: “É um fantasma”. E gritaram de medo. Mas Jesus logo lhes falou: “Coragem! Sou eu. Não tenhais medo!” Então Pedro lhe disse: “Senhor, se és tu, manda-me ir ao teu encontro, caminhando sobre a água”. Ele respondeu: “Vem!” Pedro desceu do barco e começou a andar sobre a água, em direção a Jesus. Mas, sentindo o vento, ficou com medo e, começando a afundar, gritou: “Senhor, salva-me!” Jesus logo estendeu a mão, segurou-o e lhe disse: “Homem de pouca fé, por que duvidaste?” Assim que subiram no barco, o vento cessou. Os que estavam no barco ajoelharam-se diante dele, dizendo: “Verdadeiramente, tu és o Filho de Deus!”

Bíblia Sagrada, tradução da CNBB, 2ª ed., 2002.
Clique nos títulos para ler o conteúdo.
Oração Inicial

Neste domingo celebramos o Dia dos Pais e iniciamos a Semana Nacional da Família, que tem como tema “Família, uma luz para a vida em sociedade”.
No Evangelho, os discípulos, em meio às ondas agitadas pelo mar, não reconhecem o Senhor, que vai até eles caminhando sobre as águas, e ficam apavorados. Mas, aos poucos, tomam consciência da presença de Jesus, sempre solidário e protetor, e acolhem suas palavras encorajadoras: “Coragem! Sou eu. Não tenhais medo!” Que a Palavra de Deus renove em nós a fé e nos ajude a enfrentar as adversidades da vida, depositando nossa confiança no Senhor.

Leitura (Verdade)

O que diz o texto? Leia-o pausadamente e identifique o contexto da narrativa. Qual mensagem o evangelista deseja transmitir? Além de “noite” e “escuridão”, quais outras palavras simbólicas você identifica no texto?
“Após a partilha dos pães, Jesus envia os discípulos de barco, enquanto despede-se das multidões e recolhe-se para orar. O temor dos discípulos diante do mar agitado, o não reconhecimento de Jesus que se aproxima e a vacilação de Pedro ao caminhar ao encontro de Jesus são expressões da incompreensão que ainda existia diante da missão de Jesus e de sua própria pessoa. Mateus faz um contraste. Enquanto os discípulos na barca não reconheceram Jesus, ao chegarem a Genesaré, uma região periférica do judaísmo, os habitantes o reconhecem” (Reflexão de José Raimundo Oliva, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)

O que diz o texto? Leia-o novamente e repita as palavras que mais chamaram sua atenção. Quais são as águas agitadas que você precisa enfrentar? Jesus está no barco com você? Você reconhece o Senhor que se aproxima do seu barco e confia em suas palavras: “Coragem! Sou eu. Não tenhais medo!”?
Para reconhecermos a presença do Senhor Ressuscitado nos momentos difíceis da vida, necessitamos de muita fé. Mas nós não precisamos temer, pois o Ressuscitado está no nosso meio, está junto de nós. Que possamos sempre acolher as palavras encorajadoras de Jesus – “Sou eu. Não tenhais medo!” –, sobretudo nos momentos de dificuldade e temor.

Oração (Vida)

Celebrando hoje o Dia dos Pais, rezemos por suas intenções e também pelas famílias. Em comunhão com todos os pais, rezemos a prece de um pai.
“Senhor, é maravilhoso ter filhos e conviver com eles ao lado de minha esposa. Faze com que meu compromisso de ser pai seja um reflexo do teu infinito amor de Pai. Ilumina-me para que eu saiba amá-los sem impor regras nem condições. Inspira-me a perdoá-los e corrigi-los sem severas exigências. Orienta-me para que eu seja um pai amigo e alegre, apoiando-os na vocação e nos sonhos. Dá-me sabedoria para compreender os impulsos e inovações na juventude de meus filhos. Abençoa a aliança com minha esposa, que tanto me ajuda a educá-los. Eu te ofereço a harmonia de minha família, agradeço-te pela saúde e o pão de cada dia e peço-te que os abençoe e os conduza pelo caminho do bem. Assim seja!” (Luizinho Bastos, em “Mensagens para o ano todo – Vol. 3”, da Paulinas Editora).

Contemplação (Vida e Missão)

Qual apelo a Palavra de Deus despertou em seu coração? O que você se propõe a viver hoje? Como pretende atingir esse propósito?

Bênção

- Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
- Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
- Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
- Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Leitura orante: Equipe de Redação Paulinas Internet.

Depois do Sermão das Parábolas do Reino dos Céus, o evangelista São Mateus, entre outras coisas, nos conta como Jesus andou sobre as águas e permitiu a Pedro que andasse também. Mas veio o vento e com ele o temor, e com o temor a fé naufragou. O vento também soprou no monte Horeb onde estava o profeta Elias. O profeta Elias chega ao monte Horeb e passa a noite numa gruta. Recebe a ordem de sair da gruta porque o Senhor vai passar. Vem um vento tempestuoso, vem um terremoto, vem fogo e vem, por fim, o murmúrio de uma leve brisa. Então o profeta sai da gruta e cobre o rosto com um manto. O Senhor estava passando. Depois da multiplicação dos pães, os discípulos atravessam para o outro lado do mar. Jesus despede o povo, fica sozinho e sobe a um monte para rezar, como Elias que subiu ao monte Horeb. A barca dos discípulos, no meio do mar, passava por uma forte tempestade de vento. Bem de madrugada, Jesus vai ao encontro deles andando sobre as águas. Os discípulos ficam com medo, mas ouvem de Jesus: “Coragem. Sou eu. Não tenham medo!” Pedro quer uma prova e pede para andar sobre as águas. Jesus o chama, mas ele começa a afundar quando sente o vento. Naquele momento Pedro duvidou. Não duvidou que Jesus estivesse lá, porque gritou: “Senhor, salva-me!”. Começou a duvidar do que ele mesmo estava fazendo. Estava andando sobre as águas e o vento o assustou. Quando o vento se acalmou, todos disseram: “O Senhor é mesmo o Filho de Deus!”. O Senhor está bem perto. Posso não vê-lo, mas eu o sinto como se sente uma brisa suave. Se ele está presente, a verdade e o amor se encontram, a justiça e a paz se abraçam.
A barca de Pedro navega no meio do vento impetuoso. Dificuldades, contradições, medos a assaltam por toda parte. Fica, porém, um convite: subir ao alto da montanha, descortinar o horizonte, distanciar-se para ver melhor, sair da agitação e esperar a brisa suave, entrar no silêncio de Deus para poder ouvir “Coragem, sou eu. Não tenham medo!”. E no fim, dizer: “O Senhor é mesmo o Filho de Deus!”. Paulo sentiu “grande tristeza e grande dor” porque seu povo não aceitou Jesus como o Messias esperado. Nem por isso ele deixou de ver a filiação adotiva, a glória, as alianças, as leis, o culto, as promessas, os patriarcas e o próprio Jesus vinculados à história do povo de Israel. Não deixe que o vento impetuoso carregue sua esperança e empane sua visão. Sinta a suavidade da brisa e perceba que o Senhor está perto. Se for preciso, suba à montanha e “ore a sós”. Oremos também com Paulo pelo povo da primeira Aliança, para que continue fiel à Aliança com o Deus de seus pais. Dele descende Cristo que para nós está acima de tudo e é Deus bendito para sempre. Em sua raiz fomos enxertados, não para substituir, mas para continuar a missão dada a Abraão de ser uma bênção para todas as nações. Paulo gostaria que seus irmãos experimentassem o que ele experimentou no caminho de Damasco.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2017’, Paulinas.