Fundo
Terça-feira, 05 de Julho de 2022
Paulinas - A comunicação a serviço da vida

Evangelho do dia 23/06/2022

Natividade de São João Batista, solenidade - Ano C - Branca
1ª Leitura: Is 49,1-6 ou 2Rs 24,8-17 Salmo: Sl 79(78) - Pela glória do teu nome, ó Deus, salva-nos e perdoa os nossos pecados! 2ª Leitura: At 13,22-26 Evangelho Opcional: Lc 1,57-66.80
evangelho
Ele ensinava como quem tem autoridade - Mt 7,21-29

“Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor! Senhor!’, entrará no Reino dos Céus, mas só aquele que põe em prática a vontade de meu Pai que está nos céus. Naquele dia, muitos vão me dizer: ‘Senhor, Senhor, não foi em teu nome que profetizamos? Não foi em teu nome que expulsamos demônios? E não foi em teu nome que fizemos muitos milagres?’. Então, eu lhes declararei: ‘Jamais vos conheci. Afastai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade’. Portanto, quem ouve estas minhas palavras e as põe em prática é como um homem sensato, que construiu sua casa sobre a rocha. Caiu a chuva, vieram as enchentes, os ventos deram contra a casa, mas a casa não desabou, porque estava construída sobre a rocha. Por outro lado, quem ouve estas minhas palavras e não as põe em prática é como um homem sem juízo, que construiu sua casa sobre a areia. Caiu a chuva, vieram as enchentes, os ventos sopraram e deram contra a casa, e ela desabou, e grande foi a sua ruína!” Quando ele terminou estas palavras, as multidões ficaram admiradas com seu ensinamento. De fato, ele as ensinava como quem tem autoridade, não como os escribas.

Bíblia Sagrada, tradução da CNBB, 2ª ed., 2002.
Clique nos títulos para ler o conteúdo.
Oração Inicial

Hoje, quinta-feira, a Igreja nos pede que rezemos pelas vocações. Ao iniciarmos a nossa oração, apresentemos ao Senhor todos os vocacionados e vocacionadas. Peçamos a Deus que nos envie boas e santas vocações e que as luzes do Espírito Santo sempre nos iluminem.
Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém!


Leitura (Verdade)

Observe as imagens que estão presentes no texto deste Evangelho. Quais comparações Jesus faz para falar daqueles que escutam sua Palavra? Como a multidão acolhe os ensinamentos de Jesus?

Evangelho: Mt 7,21-29 “Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor! Senhor!’, entrará no Reino dos Céus, mas só aquele que põe em prática a vontade de meu Pai que está nos céus. Naquele dia, muitos vão me dizer: ‘Senhor, Senhor, não foi em teu nome que profetizamos? Não foi em teu nome que expulsamos demônios? E não foi em teu nome que fizemos muitos milagres?’. Então, eu lhes declararei: ‘Jamais vos conheci. Afastai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade’. Portanto, quem ouve estas minhas palavras e as põe em prática é como um homem sensato, que construiu sua casa sobre a rocha. Caiu a chuva, vieram as enchentes, os ventos deram contra a casa, mas a casa não desabou, porque estava construída sobre a rocha. Por outro lado, quem ouve estas minhas palavras e não as põe em prática é como um homem sem juízo, que construiu sua casa sobre a areia. Caiu a chuva, vieram as enchentes, os ventos sopraram e deram contra a casa, e ela desabou, e grande foi a sua ruína!”. Quando ele terminou estas palavras, as multidões ficaram admiradas com seu ensinamento. De fato, ele as ensinava como quem tem autoridade, não como os escribas.

“Quantos ensinamentos preciosos, quanta sabedoria no Evangelho de Jesus! Precisamos ouvi-los e praticá-los, isto é, viver segundo sua Palavra, deixar-nos orientar por ela. Uma vida edificada sobre esse fundamento, a prática da palavra de Jesus, é como uma casa construída sobre alicerces firmes, edificada na rocha. Construir sobre a rocha significa esforço, dedicação, perseverança em sua edificação. As crises e as turbulências da vida não derrubam essa casa. O contrário é a construção da casa sobre a areia, quando se corre para o mais fácil, o que dá mais prazer, o mais ou menos. Sem alicerces firmes, a casa desmorona facilmente. Ouvir a palavra e pô-la em prática, este é o caminho correto”. (Viver a Palavra – 2022. Pe. João Carlos Ribeiro - Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)

Não são as muitas palavras ou o louvor estéril que caracterizam o discípulo, mas o seu engajamento afetivo e efetivo em realizar a vontade de Deus: ‘Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor! Senhor!’, entrará no Reino dos Céus, mas só aquele que põe em prática a vontade de meu Pai que está nos céus’.
Quais alicerces sustentam sua vida, seus projetos, seus objetivos?
“A rocha é Jesus Cristo! A rocha é o Senhor! Uma palavra é forte, dá vida, pode ir em frente, pode resistir a todos os ataques, se tem suas raízes em Jesus Cristo. Uma palavra cristã que não tem suas raízes vitais, na vida de uma pessoa, em Jesus Cristo é uma palavra cristã sem Cristo! E as palavras cristãs sem Cristo enganam, fazem mal!” (Papa Francisco).

Oração (Vida)

Agradeça tudo que a Palavra lhe permitiu compreender e vivenciar do mistério de Cristo. Apresente ainda ao Senhor a oração que brotou em seu coração durante a leitura orante.

Conclua com a oração: “Jesus, divino Mestre, nós vos adoramos, Filho unigênito de Deus, vindo ao mundo para dar às pessoas a vida em plenitude. Nós vos louvamos e agradecemos, porque morrestes na cruz para obter-nos a vida divina que nos comunicais no batismo e alimentais com a Eucaristia e os outros sacramentos. Vivei em nós, Jesus, pelo vosso Espírito, para que vos amemos com todo o nosso ser e amemos o próximo como a nós mesmos no vosso amor. Fazei crescer em nós esse amor para que um dia, ressuscitados, partilhemos convosco a alegria do Reino dos céus. Amém.”

Contemplação (Vida e Missão)

A Palavra deste dia falou ao seu coração, tocou sua vida? Guarde tudo o que o Senhor, por meio da Palavra, o(a) chama a viver neste dia.

Bênção

“Procurem aperfeiçoar-se, exortem-se mutuamente, tenham um só pensamento, vivam em paz. E o Deus de amor e paz estará com vocês. Saúdem uns aos outros com beijo santo (...). A graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vocês.” (2 Coríntios 13,11-14).

Ir. Carmen Maria Pulga

Já nos tempos de Mateus, muitos exclamavam: “Senhor! Senhor!”, mas não se preocupavam em praticar a vontade de Deus. Julgavam estar em dia com Deus por suas exclamações, profecias, exorcismos e milagres. Porém, Jesus mostra algo bem mais sério: fazer a vontade de Deus (v. 21) e observar a palavra de Jesus (v. 24) é a mesma coisa. Mais do que falar, o que importa para entrar no Reino é a vontade do Pai e observar as palavras de Jesus. Para ilustrar a fiel observância da vontade de Deus expressa nas palavras de Jesus, o texto recorre a Ez 13,10ss, em que se fala de uma construção frágil de falsos profetas, ou seja, de pessoas mais preocupadas com profecias do que com a justiça e a verdade. Ser fiel a Deus é observar o ensino de Jesus. Assim, o fiel está em chão sólido, em rocha que não deixa sucumbir. Para os cristãos de todos os tempos fica a lição: não basta a ortodoxia, é preciso também a ortopraxia. As duas são necessárias.

Frei Bruno Godofredo Glaab, ‘A Bíblia dia a dia 2022’, Paulinas.