Fundo
Quinta-feira, 04 de Junho de 2020
Baixe o app do Comece o dia feliz
Play Store App Store
Mensagem do dia 14 de janeiro
Deixa-me cantar a paz!
Deixa-me cantar a paz!
Freeimages

Os homens, mais uma vez cavaram um fosso na estrada da paz. Pisotearam o canteiro onde germina teimosamente a rosa da solidariedade entre os povos. Eis que entre botas e tanques geme e sangra a estrela-liberdade! No prato ainda vergonhosamente vazio diante da criança que chora por comida. Os homens dos dólares oferecem bombas de fogo e veneno.

Aqui nestas terras ainda tão vazias de braços fraternais e máquinas inteligentes na batalha do pão e da humilhação saturam-nos os aviões de combate. Os tanques de ataque, os mísseis do genocídio fatal por todos os lados nas páginas inteiras, em todos os canais nos agridem as más notícias do conflito infeccioso.

Eis que em nossas casas treme o nosso já tão frágil sossego familiar!
Trocam-se acusações, presenteiam-se ameaças, põem-se em estado de prontidão máxima, combinam-se em confabulações de emergência. Planejam-se boicotes, bloqueios, ataques...
Nenhum deles faz um afago ou emite um gesto de ternura para a paz! Os corações dos poderosos são como pedras na beira dos caminhos duras e estéreis onde orvalho do amor já não respira. Sobe o preço do petróleo, a vida fica mais cara, o mercado de armas se agita...
Malditos sejam todos os promotores da guerra, pais deste monstro arrasador da humanidade.

Senhores, não dá pra ouvir por um segundo o grito das crianças que gemem por pão? Elas são suas reféns e estão em toda parte!
Silêncio, senhores canibais da esperança! Por um instante só Silêncio! Deixem que falem as crianças órfãs do Panamá. Os sobreviventes de Hiroshima, as mães do Vietnã. O soldados mutilados pela praga pior de nossa história.
É tão dilacerante essa incômoda situação de guerra!... Silêncio, por um instante só deixem-se cantar ainda pela paz!

Zé Vicente