Fundo
Quinta-feira, 18 de Julho de 2024
Paulinas - A comunicação a serviço da vida
Santo do dia 10 de julho
Santas Rufina e Segunda
Mártires (+ 257)
Santas Rufina e Segunda
Rebeca Venturini/FC

O mais antigo documento sobre a paixão dessas duas mártires, o Martirológio jeronimiano, apresenta ambas como irmãs prometidas em casamento a dois jovens cristãos. Mas, tendo estes apostatados em razão das ameaças de morte, elas recusaram igualmente o casamento (preferindo conservarem-se virgens) e a abjuração da própria fé.

Foram denunciadas pelos próprios pretendentes e interceptadas a 14 quilômetros da via Flamínia, enquanto fugiam de Roma. Em vão o prefeito procurou induzi-las a sacrificar aos deuses, bem como a se reconciliarem com os dois pretendentes. Por isso, entregou-as ao carrasco.

Conduzidas a um local distante 17 quilômetros da via Cornélia, denominado Floresta Negra, as duas jovens virgens foram decapitadas. Plautila, matrona romana, enterrou os corpos num local que lhe fora indicado em sonho pelas duas santas.

Por causa do túmulo das duas mártires, além de outros, os cristãos teriam decidido mudar o nome do local para Floresta Cândida. No século IV, sobre o túmulo de ambas as santas, o papa Júlio I fez edificar em sua honra uma basílica, hoje demolida. A esta se faz menção num documento do século IX. Mas já no século V há confirmação da existência de um bispo suburbicário, ainda hoje existente, precisamente na diocese de Porto e Santa Rufina.

Retirado do livro: 'Os Santos e os Beatos da Igreja do Ocidente e do Oriente', Paulinas Editora.