Fundo
Domingo, 14 de Agosto de 2022
Paulinas - A comunicação a serviço da vida
Dica de Vida Saudável do dia 05 de abril
Descendo do salto
Descendo do salto
Freeimages

As meninas, ao completarem 15 anos, debutam, ou seja, a festa do 15º aniversário tinha um sabor diferente, o pai trocava os sapatinhos baixos da filha por lindos sapatos de saltos altos e a apresentava para a sociedade todo orgulhoso: “Agora minha filha já é uma moça, pode andar de salto alto e usar maquiagem” – este era o discurso dos pais.

Não demorou muito para essa tradição cair por terra, ou melhor, subir nos saltos. Hoje é comum ver meninas desfilando, ou tropeçando, com sapatos inadequados para suas idades. Esse assunto sempre gera discussão e, como não existe regulamentação que proíba a fabricação de sapatinhos com saltos altos, os pais devem ficar atentos e não adquirir tal calçado nem aceitar de presente e, muito menos, oferecer às filhas dos outros.

Além disso, a oferta de sapatos de saltos para meninas também é bastante significativa. De 30 empresas fabricantes de calçados, pelo menos 10 comercializam sapatos com saltos de 2 a 4 centímetros, incluindo saltos embutidos em botas e tênis.

O especialista em pé infantil do Instituto de Ortopedia, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP), Bruno Massa, diz que o ideal é que o uso do salto alto seja adiado até a fase adulta, “quando ocorre a maturidade óssea, antes disso o uso desses calçados pode gerar repercussões com o passar dos anos”, diz.

Segundo Bruno Massa, não existe um sapato ideal “cada um tem características diferentes e por isso necessidades diferentes, o mais importante é que o sapato seja adequado ao pé e não o contrário”. Como exemplo, ele cita os sapatos de bico fino: “Para serem calçados, é preciso pressionar os dedos, e isso gera atrito e propicia deformidades, como a joanete”.

O especialista em pé infantil observa que um sapato que calça todos os tipos de pé tem as seguintes características: região anterior arredondada ou retangular e com um solado firme e não flexível, mas com uma palmilha macia que absorva impactos e torne o calçado confortável.

Outra questão importante é a diferenciação entre os saltos tanto na forma quanto na altura, por exemplo, saltos tipo agulha são diferentes dos de anabela, assim como saltos de 2 centímetros são diferentes dos de 8 centímetros. Os sapatos infantis, segundo o especialista, podem ter saltos largos (se não tiverem a região anterior afilada) de até dois centímetros, o uso de saltos maiores e mais finos, além de riscos de traumas, pode ocasionar deformidades e dores na região dos pés.

Por Silvia Torreglosa/Revista Família Cristã, edição 929.