Fundo
Sexta-feira, 20 de Outubro de 2017
Baixe o app do Comece o dia feliz
Play Store App Store
Dica de Vida Saudável do dia 14 de junho
Repolho, um remédio
Repolho, um remédio
Pixabay

Muito além do uso na culinária por favorecer diversidades de pratos, o repolho é uma rica fonte de saúde, em especial no combate a células cancerígenas.

A semente é miudinha, marrom. No contato com a terra, ao germinar, surge uma frágil planta com folhas esparramadas, arredondadas. Ao ser transplantada, a pequena planta, com folhas imbricadas, lisas ou crespas, vai crescendo, tornando-se espessa e formando uma bola esverdeada, esbranquiçada ou roxa. Depende da qualidade ou do tipo. Rico em vitaminas, ferro e cálcio, o repolho é conhecido em diversos países e usado na alimentação, de forma crua ou cozida, oferecendo ingredientes para diversos pratos.

O repolho pertence à família brassicaceae, da qual estão inclusas milhares de espécies, entre elas vários vegetais crucíferos, como a couve, o brócolis e a couve-flor. São plantas de suma importância para a alimentação humana e produção de óleos e gorduras vegetais, do gênero Brassica e nativas da Europa, compreendendo o repolho, a couve, o nabo e a mostarda. Cultivado há milhares de anos, o repolho é uma hortaliça conhecida por conter diversos nutrientes, principalmente vitamina C. Foi introduzido nas Américas pelos imigrantes europeus. O cultivo se estabeleceu no Brasil na Região Sul. Desde então, tornou-se apreciado cru ou em saladas, como também cozido e refogado, por ser um alimento saboroso e cheio de nutrientes, que pode ser utilizado em sopas, conservas, acompanhamentos e massas.

O repolho é encontrado em cinco tipos: o liso, o crespo, o roxo, o chinês e a couve-de-bruxelas. Todas as variedades costumam ser consumidas cruas em saladas, refogadas ou cozidas, e ainda em sopas. Previne diversos tipos de câncer, em virtude de duas substâncias presentes: o ácido p-cu-márico e a rutina. Elas atuam como antioxidantes, anulando o efeito dos radicais livres. O repolho roxo, além de ser bom para o sistema imunológico, é rico em antocianinas, que diminuem o risco de infarto.

Além de excelente fonte de vitamina C, também contém vitaminas A, B1, B2, B6, K, ácido fólico, fibras e minerais, como o cálcio, fósforo e enxofre. Glutamina e polifenóis, em quantidades significativas, estão presentes no repolho, o que contribui para que seja um alimento com propriedades anti-inflamatórias. Assim como outros vegetais crucíferos, no repolho há também substâncias antioxidantes capazes de reduzir os riscos de se adquirir diversos tipos de câncer. É uma hortaliça que pode ser cultivada durante todo o ano, no entanto se desenvolve melhor em clima fresco e úmido. É produzido em todos os estados brasileiros, com destaque para as regiões Sudeste e Sul. No mundo, os maiores produtores de repolho são a China, Índia e Rússia.

O remédio – Ao ser consumido em quantidade razoável, o repolho diminui a probabilidade de desenvolver câncer de cólon, devido aos bioflavonoides, aos indóis, à genisteína e demais substâncias químicas presentes que inibem o crescimento de tumores e protegem as células dos danos causados pelos radicais livres liberados quando o organismo queima oxigênio. Como parte dessas substâncias acelera o metabolismo do estrogênio, as mulheres que consomem grande quantidade de repolho têm menos probabilidade de desenvolver câncer de mama, útero e ovário.

É aconselhado consumir o repolho nos casos de úlceras, náuseas, nevralgias, erisipela, gota, reumatismo e rouquidão. Favorece o sistema digestivo e o fígado. Além disso, o suco de repolho cru favorece a cicatrização de úlceras pépticas, por causa da metionina, um aminoácido encontrado em pequena quantidade nessa hortaliça.

Osnilda Lima, fsp/Revista Família Cristã, edição 952.