Fundo
Sábado, 24 de Outubro de 2020
Baixe o app do Comece o dia feliz
Play Store App Store
Mensagem do dia 18 de outubro
A sábia harmonia da natureza
A sábia harmonia da natureza
Freeimages

Nenhuma estrela subestima outra estrela; algumas brilham mais, outras brilham menos, mas nem por isso são adversárias.
Nenhuma ave julga o voo ou o canto de outra ave, todas são livres para cantar e voar.
O lírio não inveja a orquídea, e esta não menospreza o botão de rosa prestes a desabrochar, pois todos perfumam conforme seus dons e carismas.
Não há rivalidade entre as árvores, se uma dá mais frutos ou se outra demora anos para produzir. A seiva é igual em todas; não há distinção nem discriminação.
O sol não se incomoda com o passeio das nuvens, pois a chuva tem sua vez e a sombra tem seu espaço.
Na fauna, nenhum animal se envergonha por não saber nadar ou por não saber voar.
Alguns são mais ferozes, outros mais pacatos e amorosos, porém não reclamam do que têm, nem de como vivem, não desperdiçam o que lhes é dado, não desobedecem e amam ao Criador sobre todas as coisas.
E o arco-íris? Ora, ele não se queixa de se manifestar tão poucas vezes com suas sete cores mágicas. Também nunca criticou a lua, que paira todas as noites com suas quatro fases.
O verão dá boas-vindas ao outono, que deseja prosperidade ao inverno, que saúda com alegria a chegada da primavera, e esta acolhe com flores o regresso do verão.
O peixe foi feito para borbulhar, a fêmea para parir, o lobo para uivar, a serpente para rastejar, o vento para soprar... e nós, seres humanos?
Qual a razão de tanta desarmonia social? Como podemos evoluir se nosso íntimo está em ruínas?
Contemplemos a sábia harmonia da natureza. Percebamos que existe uma característica para cada organismo, um espaço para cada espécie, um dom para cada ser; e nesse cenário de perfeita sincronia e harmonia, há algo de infinito de que devemos participar e que devemos construir com nossos gestos e virtudes.
Oxalá, sobre toda a mística universal que nos rege, nós, seres humanos, possamos nos aproximar de um passarinho sem que ele fuja, de uma planta sem feri-la, conviver com os animais sem agredi-los, respeitar a vida e os direitos dos semelhantes, oferecendo-lhes flores, poemas, sorrisos, canções...
Então a natureza contemplará a sábia harmonia dos seres humanos.

Luizinho Bastos, no livro "Ecos ecológicos", da Paulinas Editora.