Fundo
Quinta-feira, 29 de Fevereiro de 2024
Paulinas - A comunicação a serviço da vida
Mensagem do dia 01 de dezembro
Passar de ano, desejo de todos
Passar de ano, desejo de todos
Pixabay

Há uma expressão popular consagrada, que parte do mundo escolar com suas etapas de ensino e formação: “Passar de ano”, não é apenas um desejo dos pais que querem ver seus filhos progredindo, e investem financeiramente em meios favoráveis. “Passar de ano” é também uma razão forte de todos os alunos conscientes e responsáveis, tanto crianças como jovens e adultos.

A reprovação escolar é sempre traumática, independentemente da causa. “Passar de ano”, não é apenas uma sensação de alívio, mas uma perspectiva que se abre para outra etapa favorável a uma ascensão formativa, educacional e profissional. “Passar de ano” é desejo de todos, porque nosso viver é dinâmico e impelido por grandes sonhos. Quando a pessoa já não aspira passar de ano e deixa de sonhar o novo, facilmente renuncia ao potencial que traz consigo, pondo em risco a capacidade de ser sujeito da história.

“Passar de ano” não é apenas um desejo dos frequentadores de escola. É também uma prática quase espontânea, de quem vai tirando, ou riscando as folhas do calendário de cada mês, até chegar ao fim de ano e substituí-lo por outro calendário do novo ano, ou por outra agenda. Assim vamos confirmando que todos passamos pelo tempo, mas com esta passagem desejamos que a etapa seguinte seja sempre melhor.

Dar um passo em frente é próprio de quem caminha. Não é normal para os humanos andarem de ré. “Passar de ano” tem um preço que se chama responsabilidade e corresponsabilidade. Geralmente, acionamos mecanismos de passividade e de acomodação. Desejamos que o ano novo seja feliz e melhor, porém tendemos imaginar que isto depende dos outros, ou da sorte e pouco de nós. Um novo ano necessita ser encarado como um dom de Deus, porque Ele é o Senhor do tempo e da eternidade. Torna-se também um dom real, quando tantos investem os seus dons e seu tempo, para que nós possamos alcançar e usufruir meios favoráveis ao nosso viver cotidiano. Nesta certeza e com esta experiência real, em contrapartida, somos chamados a arregaçar as mangas e fazer a nossa parte pessoal.

O que redime o tempo vivido de cada ano novo é a sinceridade do amor. E amor só existe quando se aprende a tomar a iniciativa. Se ficarmos esperando que os outros mudem, que os outros façam, que os outros se empenhem e cruzamos nossos braços, o nosso viver vai se atormentando pelos sonhos que nós mesmos atraiçoamos. Amar a vida, amar o tempo e acolher o novo com a alegria da responsabilidade já é uma vitória antecipada e alcançada.

Não temos certezas dos resultados do que investimos agora, para o dia de amanhã, mas temos certeza de que o melhor de nós que investirmos hoje, amanhã nos deixará mais seguros e felizes, por termos feito o que devíamos fazer. Vamos passar de ano, com certeza, se não na escola institucional, ao menos na escola da vida, pois vida que é vida será um permanente aprendizado de amor.

Frei Luiz Turra, ‘No Coração da Vida’, Programas Radiofônicos Vol. 03.